segunda-feira, 21 de setembro de 2015

O marketing na crise



Em tempos de crise sou constantemente abordado por alunos ou microempresários com relação ao que deve ser feito com o seu marketing em épocas como essa que nos encontramos. É claro que não tenho uma receita pronta, porque também acho que não exista essa tal receita para todos os problemas de marketing das empresas, dessa forma apenas tento dar algumas dicas, que podem direcionar as suas estratégias em tais períodos. Assim, nesse momento irei compartilhar os conselhos que dou quando sou abordado com esses questionamentos:
  1. Em épocas de crise o primeiro investimento que será cortado é o de marketing. Não caia nessa armadilha. Sem dúvida alguma é uma grande tentação fazer isso, afinal, ninguém irá investir em propaganda ou marketing nesses momentos de crise, não é verdade? Mais ou menos. Cuidado com esses mitos. Esse é o melhor momento para investir em marketing devido ao fato de que os seus concorrentes estão cortando esses investimentos, e o custo para conseguir espaço publicitário é mais barato e você pode conseguir ótimos descontos, e assim manter sua marca em evidência em momentos de turbulência econômica. Mantendo os seus investimentos, sua marca será sempre a primeira a ser lembrada quando a crise passar.
  2. Esse é o momento de “ir à caça”. Aproveite que os seus concorrentes estão congelados pela crise e tente roubar os seus clientes. Como os seus rivais de mercado estão pensando o que deve ser feito, e quais os investimentos que serão cortados, suas ações para garantir a fidelidade de seus consumidores estarão um pouco letárgicas. E nesse momento os clientes ficam abertos à novas propostas e incentivos de compra. Use esse período para literalmente, roubar os clientes da concorrência, com ofertas direcionadas, ações de incentivo e convites para que troquem de marca porque a sua empresa esta disposta a recebê-los de braços abertos. Estude o que o mercado deseja, e seja o primeiro a oferecer benefícios e ofertas diferenciadas que se enquadrem ao bolso desses consumidores, que nesse momento procuram compras por oportunidade.
  3. Valorize os seus funcionários. Em momentos de crise é natural que os seus colaboradores entrem em pânico, com medo de perder seu trabalho. Nessas épocas é natural que a primeira ação da empresa é a demissão em massa. Pense um pouco mais antes de tomar tal atitude. Lembre-se que a crise irá passar um dia e, quando a prosperidade voltar, você perderá muito tempo em contratar funcionários e treiná-los. Esse tempo perdido pode significar perder mercado quando as vendas voltarem. Aproveite esses momentos para valorizar aqueles colaboradores que dão retorno para a empresa. Use o tempo ocioso para treinar os colaboradores para que se tornem melhores embaixadores de sua marca. Invista em treinamentos que fortaleça a imagem corporativa, sua missão, seus valores e suas estratégias de fortalecimento de marca. Treine-os para roubar, no bom sentido, os clientes da concorrência e para que tenham uma visão de marketing. Se conseguir fazer essa estratégia, não se esqueça de propagar ao mercado, para mostrar que sua empresa se preocupa com os seus colaboradores e não apenas em vender para o mercado.
  4. Invista em propaganda. Aproveite que o mercado está letárgico e que muitas empresas estão revendo seus investimentos, e use o espaço ocioso na mídia para fazer bons contratos de publicidade. Lembre-se que um dia a crise irá passar e os consumidores sempre se lembrarão daquelas marcas que não saíram da mídia e da atenção dos consumidores. Fortaleça o seu posicionamento e lembre-se da famosa frase do Sérgio Zymmam “se quer vender todo dia, faça seu marketing todo dia”.
  5.  Como os consumidores estarão mais seletivos em suas compras, procure demonstrar os benefícios de seus produtos e como sua empresa é melhor que os seus concorrentes para resolver problemas pontuais de mercado. O consumidor pode até deixar de comprar determinados produtos durante esse período, porém alguns outros ele jamais deixará de comprar, será apenas mais seletivo. Assim, procure mostrar os seus diferenciais e como a compra de seu produto ou serviço poderá trazer benefícios para esses consumidores. Mas, lembre-se que apenas conseguirá transmitir esses diferenciais se mantiver os seus investimentos em marketing.
E, seja criativo. Pense em formas diferenciadas de rever os seus investimentos. Não faça como a maioria, que simplesmente cortam os custos das coisas mais fáceis: marketing e folha de pagamento. Lembre-se que isso todo mundo faz, vá além e supere as expectativas de seu mercado. Não seja apenas mais um. Seja a empresa diferenciada. Pense em marketing.

sexta-feira, 11 de setembro de 2015

Presente de Grego



Deu o que falar, principalmente nas redes sociais, a proposta de parceria sugerida pelo Burger King ao Mc Donald’s para comemorar o dia mundial da paz. A iniciativa era  que as duas rivais deixassem suas desavenças de lado e criassem um lanche que seria metade de cada uma das empresas, uma mistura de Big Mac e Whopper.
Se pararmos para pensar foi uma jogada de mestre do Burger King, afinal quem não quer se aproveitar do líder para alavancar suas vendas e ainda passar a imagem de “bom moço” para a sociedade, não é mesmo? E o mais importante em sua jogada foi tornar a proposta pública por meio das redes sociais. Como sabia que o seu rival não aceitaria tal proposta tal negativa levou a opinião pública a ficar contra o seu rival. Muito bem planejado sua estratégia.
O que o Burger King não esperava, o que podemos considerar que nessa situação o feitiço virou contra o feiticeiro, é que uma rede menor se envolveu, mesmo sem ser convidada, e usando as mesmas redes sociais que deixaram seu oponente em uma situação desconfortável resolveu se prontificar para aceitar a parceria. A rede Girafas se prontificou a aceitar a parceria. O Burger King teve que aceitar a parceria e nesse caso ajudar uma rede menor a se beneficiar de sua estratégia. Caso não aceitasse o convite da rede brasileira, provaria que sua única intenção era oferecer ao Mac Donald’s um presente de Grego, lindo por fora, mas com uma tremenda armadilha em seu interior - o famoso Cavalo de Tróia.
Bom, agora só nos resta aguardar o desfecho dessa estratégia e acompanhar como será um lanche de Burger King e Girafas, será interessante.
Independe dos resultados que virão, gostei muito da resposta do CEO do Mc Donald’s em sua negativa para tal parceria: “apenas um telefonema poderia ter resolvido a situação”. Eu concordo com ele, se a inciativa do Burger King fosse verdadeira não haveria a necessidade de deixar público seu pedido. Nessa briga de gigantes suas ações são um pouco controversas e todo cuidado é pouco, ainda mais quando tratamos do poder que as mídias sociais possuem no sentido de influenciar as pessoas.

quarta-feira, 9 de setembro de 2015

Conte uma boa história...


Nos mercados nos quais os consumidores estão cada dia mais conectados, torna-se cada vez mais difícil prender a sua atenção, devido à quantidade de estímulos que recebem em seu cotidiano. Diante desse cenário, contar uma boa história é uma estratégia muito interessante para atrair a atenção de seu público alvo. Assim, o chamado Storytelling esta sendo cada vez mais usado como estratégia de Marketing para agregar valor à marca e mostrar os seus diferenciais, valores e produtos. Mas, por que o ato de contar histórias é efetivo? Simples, porque somos programados para contar histórias. Se encontrarmos algum amigo e perguntarmos como foi o seu dia, ele não irá responder como uma agenda de compromisso – 7hs tomei café; 8hs peguei o carro para trabalhar; 9h30 encontrei com o João, mas sim como uma história. Desde os primórdios da civilização, antes da invenção da escrita, o conhecimento era passado por... histórias. Nossa página do Facebook apresenta nossas... histórias. Portanto, se quer envolver os consumidores, conte... histórias. Foi isso que a Johnnie Walker fez nessa campanha institucional. Vale a pena conferir.

Translate